Brasil receberá 150 milhões de doses do imunizante da Pfizer




O Ministério da Saúde e a farmacêutica Pfizer/BioNTech firmaram um novo acordo para o fornecimento de doses de vacinas contra a Covid-19 em 2022. O contrato prevê a entrega de mais 100 milhões de imunizantes, e ainda possibilita a ampliação do lote em mais 50 milhões se houver a demanda pelo país.

Em evento na manhã desta segunda-feira (29), em Salvador (BA), a presidente da empresa, Marta Dias, afirmou que o acordo “inclui a possibilidade de versões modificadas contra novas variantes, caso necessário”. Na semana passada, foi confirmada uma nova cepa de preocupação, identificada a princípio em países africanos, a ômicron.

Ainda não se sabe se essa variante é mais transmissível ou letal, mas apresentou dezenas de mutações genéticas que inspiram cautela pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

VEJA TAMBÉM | Vacinação: 62,25% da população completou o ciclo de imunização contra a Covid-19 no Brasil

A capital baiana é um dos centros de estudos clínicos da Pfizer no Brasil. Até agora, 150 milhões de doses da vacina da Pfizer contratadas pelo governo federal já foram entregues ao país. Mais 50 milhões serão repassadas até o fim de 2021. “As taxas de imunização alcançadas no país são motivo de orgulho”, acrescentou Marta Dias. Ao todo, 62,2% da população tomou duas doses de alguma das vacinas contra o coronavírus.

Negociação

A negociação de compra das vacinas da Pfizer/BioNTech foi alvo de investigação na CPI da Pandemia no Senado Federal. Em agosto de 2020, a farmacêutica ofereceu ao governo brasileiro entregar os produtos ainda em dezembro do ano passado, mas não obteve resposta. Após meses de ausência de negociação, dezenas de e-mails ignorados, o primeiro contrato para aquisição de 100 milhões de doses do fármaco foi firmado em março de 2021.

Em maio, foi acertado um segundo acordo para entrega de novo lote de 100 milhões de vacinas, entre setembro e dezembro de 2021. Agora, a demanda por essas doses deve aumentar, tendo em vista a necessidade de se aplicar um reforço.

Há duas semanas, o Ministério da Saúde recomendou a ampliação da aplicação da dose extra de vacinas contra a Covid-19 a toda a população a partir de 18 anos. Até então, a 3ª dose era indicada para idosos acima de 60 anos, imuninossuprimidos graves e profissionais da saúde. O intervalo da 2ª para a 3ª aplicação foi reduzido de 6 meses para 5. A preferência do reforço seria com doses da Pfizer.

FONTE: R7


 

Portal de Olho – A Notícia com Verdade
Endereço: Residencial Barcelona, Casa 22 Bairro Pousada do Sol, Campo Maior – Piauí
Número: (86) 9.8123-5348 |
E-mail: [email protected]