PM mata vizinho após discussão por som alto em Fortaleza

PM-mata-vizinho-após-discussão-por-som-alto-em-Fortaleza

Facapi

Subtenente da Polícia Militar do Ceará, Reginaldo Alves da Silva matou a tiros Diogo Lima dos Santos, de 18 anos, em Fortaleza, no último sábado (6). Segundo reportagem do portal UOL, o agente de segurança era vizinho da vítima e se desentendeu após uma discussão por causa de som alto.

Além da morte do jovem, os disparos do policial deixaram ferido um outro homem, de 26 anos, não identificado, que estava com Diogo Lima dos Santos em uma motocicleta.

O PM, de acordo com o UOL, se trancou em casa após os disparos e ameaçou se matar se os policiais entrassem na casa quando militares chegaram ao local. Foram necessárias quase duas horas de negociação para que o PM se rendesse e entregasse arma e colete balístico.

O caso foi registrado no 30º Distrito Policial. A Polícia Civil apura o crime, que será investigado como homicídio seguido de lesão corporal. A SSPDS (Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social) informou ao UOL que Reginaldo Alves da Silva estava de folga e foi “recolhido para o Presídio Militar“.

PM mata vizinho após discussão por som alto em Fortaleza
PM mata vizinho após discussão por som alto em Fortaleza. (Imagem: Reprodução)

Leia a nota da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará:

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informa que a Polícia Civil do Estado do Ceará (PC-CE) apura as circunstâncias de um homicídio seguido de lesão corporal, ocorridos na noite desse sábado (6), no bairro Paupina – Área Integrada de Segurança 3 (AIS 3) de Fortaleza.

Na ocasião, um subtenente da Polícia Militar, de folga, disparou contra duas pessoas que estavam em uma motocicleta. Um rapaz de 18 anos não resistiu aos ferimentos e faleceu no local.

Outro homem, de 26 anos, também foi atingido.

Equipes das Forças de Segurança foram acionadas e conduziram o militar para o 30º Distrito Policial (DP), onde ele foi autuado em flagrante por homicídio e em seguida, recolhido para o Presídio Militar. Uma equipe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e a Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) também estiveram no local.

Testemunhas foram ouvidas e as equipes da Polícia Civil seguem com as investigações sobre o caso.