http://coronavirus.pi.gov.br/

“Eram cinco em cima dela”, disse Robinho, condenado por estupro, em conversa com amigo

565 0

Em novembro de 2017, a Justiça italiana condenou Robinho e um amigo, Ricardo Falco, em primeira instância a nove anos de prisão por violência sexual. Interceptações telefônicas realizadas contra os envolvidos ao longo da investigação foram cruciais para o veredito contra o jogador, recém-contratado pelo Santos.

O caso aconteceu em uma boate de Milão chamada Sio Café, na madrugada do dia 22 de janeiro de 2013. Além de Robinho e Falco, outros quatro brasileiros teriam participado do ato, classificado pela Procuradoria de Milão como violência sexual.

Ao ser interrogado, em abril de 2014, Robinho negou a acusação. Ele admitiu que manteve relação sexual com a vítima, mas que foi uma relação consensual de sexo oral, e sem outros envolvidos. No caso de Ricardo Falco, a perícia identificou a presença de seu sêmen nas roupas da jovem.

O GE teve acesso a diversas ligações telefônicas entre os acusados, feitas com autorização da Justiça. Em uma das mais decisivas, é demonstrado que Ricardo Falco e Robinho tinham consciência da condição da vítima. A conversa aconteceu no carro de Robinho.

Falco: “Ela se lembra da situação. Ela sabe que todos transaram com ela”.

Robinho: “O (nome do amigo 1) tenho certeza que gozou dentro dela”.

Falco: “Não acredito. Naquele dia ela não conseguia fazer nada, nem mesmo ficar de pé, ela estava totalmente fora de si”.

Robinho: “Sim”.

Em outra conversa, o músico Jairo Chagas, que estava tocando na boate naquela noite, avisa Robinho sobre a investigação. O jogador responde: “Estou rindo porque não estou nem aí, a mulher estava completamente bêbada, não sabe nem o que aconteceu”.

Robinho completa: “Olha, os caras estão na merda…Ainda bem que existe Deus, porque eu nem toquei aquela garota. Vi (nome do amigo 2), e os outros foderam ela, eles vão ter problemas, não eu…Lembro que os caras pegaram ela foram (nome do amigo 1) e (nome do amigo 2)…Eram cinco em cima dela.

O músico e o jogador voltaram a se falar sobre o episódio em outra ocasião:

Robinho: “A polícia não pode dizer nada, eu direi que estava com você e depois fui para casa”.

Jairo: “Mas você também transou com a mulher?”

Robinho: “Não, eu tentei…”

Jairo: “Eu te vi quando colocava o pênis dentro da boca dela”.

Robinho: “Isso não significa transar”.

A investigação também registrou conversas entre os amigos de Robinho que estavam presentes na boate:

Amigo de Robinho: “Irmão, tive dor de barriga de nervoso, eu me preocupo por você, amigo”.

Robinho: “Telefonei a (nome do amigo 3), e ele me perguntou se alguém tinha gozado dentro da mulher e se ela engravidou. Eu disse que não sabia, porque me recordo que eu e você não transamos com ela porque o seu pênis não subia, era mole…O problema é que a moça disse que (nome do amigo 1), (nome do amigo 2) e (nome do amigo 3) a pegaram com força.

A decisão do Tribunal de Milão ainda não é definitiva e foi contestada pelas defesas do jogador do Santos e de Ricardo Falco. Os advogados apresentaram recurso e a Corte de Apelo de Milão vai iniciar a análise do processo, em segunda instância, no dia 10 de dezembro.

Fonte: Metrópoles

Related Post

close