http://coronavirus.pi.gov.br/

Brasil é o 6º país que mais gasta com funcionalismo público no mundo

199 0

Estudo da CNI (Confederação Nacional da Indústria) mostra que o Brasil é um dos países que mais gastam no mundo com o funcionalismo público.

Congresso Nacional.
Congresso Nacional.

Utilizando levantamentos e pesquisas de órgãos internacionais, a confederação defende no documento a reforma administrativa que está em tramitação no Congresso Nacional como solução essencial para aumentar a capacidade de investimentos dos governos federal, estaduais e municipais.

VEJA TAMBÉM | Campo Maior registra 4 casos de Covid-19 nas últimas 24h

Segundo levantamento do FMI (Fundo Monetário Internacional), as despesas com servidores públicos, ativos e inativos, equivaleram a 13,4% do PIB em 2018, o que coloca o Brasil na 6ª colocação entre mais de 70 países para os quais o fundo disponibiliza dados para 2018.

“Na América Latina, notamos que, na maioria dos países, os percentuais são bem inferiores: Colômbia (6,4%), Peru (6,6%) e Chile (6,9%), por exemplo”, cita a CNI.

A CNI diz que o percentual é ainda maior levando em conta o Relatório do Tesouro Nacional e o Boletim de Finanças dos Entes Subnacionais. De acordo com eles, a despesa pública total com pessoal, ativo e inativo, foi de aproximadamente 15% do PIB, em 2018 e 2019.

No ranking, o Brasil está na frente até de países desenvolvidos e reconhecidos pela participação bastante ativa do Estado: Suécia (12,7%), França (12,1%), Itália (9,5%) e Alemanha (7,5%), por exemplo.

“Entre os poucos que superam o percentual do Brasil, destacam-se Arábia Saudita, Dinamarca e Noruega, com 16,5%, 15,3% e 14,3%, respectivamente. Ainda falando sobre o topo do ranking, chama atenção a posição da África do Sul, que gasta com servidores 14,6% do seu PIB”, diz o documento.

Os números do FMI mostram que, na média, os países da OCDE gastam 9,9% do PIB com trabalhadores públicos.

Percentual da população é baixo

O documento da CNI cita também um levantamento feito pelo Banco Mundial que mostra que, apesar do alto gastos, a relação entre o número de funcionários públicos ativos e a população no Brasil (5,6%) é bem mais baixo que o encontrado na média dos países da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), de 9,6%.

O percentual nacional é maior, no entanto, que a média da América Latina e Caribe (4,4%).

A principal explicação para ter “poucos’ servidores proporcionalmente e gastos tão altos em relação ao PIB é a vantagem salarial dos trabalhadores do setor público em relação aos da iniciativa privada.

Executivo: mais caro e com mais funcionários

O Painel de Estatísticas de Pessoal, do Ministério da Economia, mostra que, considerando apenas o nível federal, o Poder Executivo é o que tem a maior parcela da despesa com funcionalismo ativo (75,7%), seguido do Judiciário (18,4%), do Legislativo (3,1%) e do Ministério Público (2,8%).

Com relação ao número de servidores ativos por Poder, no âmbito federal, o Atlas do Estado Brasileiro 2018, do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), indica que o Executivo concentra a maior parte dos servidores (85,2%), seguido pelo Judiciário (12,3%%) e Legislativo (2,5%).

Dados de 2016 revelam ainda que o país tinha então 11,5 milhões de pessoas em cargos públicos. Desses, 57% estavam ligados aos governos municipais, 32,6% aos estaduais e 10,4% à União.



WhatsApp


Related Post

close